Clique aqui para o artigo anterior desta série.

 

PETRIFIED FOREST & METEOR CRATER

Esta foi a parte em que valeu a pena não ter muitas reservas. Alterámos um pouco o percurso e em vez de ir directamente para a parte sul do Grand Canyon, visitámos Petrified Forest, Meteor Crater e conduzimos a famosa Route 66.petrified-forestPartimos do Grand Canyon por volta das 14h e chegámos a Petrified Forest às 19h30. Azar dos azares, o parque fechava às 19h00. Como abria às 7h resolvemos acampar na cidade de Holbrook na antiga Route 66. Aproveitámos para jantar num restaurante típico e passar por alguns lugares icónicos como o Wigman Motel.

De manhã, visitámos o parque e a sua madeira petrificada: as árvores caíram, foram arrastadas até ao rio, absolveram a silica e os minerais na água e petrificaram. A paisagem é árida, mas neste parque sente-se que há muito do passado preservado em rocha e montanha. Blue Mesa e Painted Desert são os dois locais mais bonitos do parque.

Seguimos viagem pela Route 66 até Meteor Crater – a maior cratera criada por um meteoro do mundo. É impressionante pelo tamanho e o museu tem muita informação interessante. No entanto, para mim foi difícil não sair dali com a sensação de que é só um buraco enorme.

This slideshow requires JavaScript.

 

GRAND CANYON – SOUTH RIM

Rumo àquela que é a parte mais famosa do Grand Canyon não estávamos certos de conseguir lugar para acampar, mas mais uma vez ficámos com um dos últimos lugares por uma noite.south-rimAssim que estacionámos, fomos recebidos por uma fêmea de alce e pela sua cria, muito perto do local onde se faz o registo. É absolutamente proibido alimentar os animais, mas eles são bastante curioso em relação às pessoas.mooseNesta parte do Grand Canyon há autocarros que servem de shuttle entre os vários locais de interesse. Por isso, seguimos a sugestão da recepcionista e apanhámos o shuttle para ver o pôr do sol num dos locais recomendados mas, habituados que estávamos a não ter multidões à nossa volta na natureza, escolhemos outro miradouro, uma ou duas paragens antes.

A escolha não podia ter sido mais acertada: pudemos apreciar um pôr do sol lindo no South Rim com chuva a cair no North Rim. Uma das visões que não se esquece. Às vezes compensa escolher o caminho menos percorrido.rain-in-the-north-rimVoltámos a apanhar o shuttle, para irmos ao tal miradouro mais famoso, e ficámos surpreendidos com a quantidade de gente que ainda estava por lá,  a tentar voltar para o parque de campismo. Deixámo-nos ficar até anoitecer e até as filas para o shuttle desaparecerem.

 

JOSHUA TREE NATIONAL PARK

A viagem entre o estado do Arizona e o estado da Califórnia foi longa mas interessante. Antes de deixarmos o Arizona voltámos à Route 66, desta vez em Seligman. Parámos para almoçar, tirar fotos e comprar postais. Havia muitos autocarros a vomitar turistas em frente às Gift Shops, no entanto vale a pena ver toda a cultura em torno da Route 66.route-66Perto do Parque Nacional de Joshua Tree, passámos por Wonder Valley, um lugar inóspito e vazio com uma mão cheia de casas abandonadas numa região propensa a cheias. Chegámos a Joshua Tree ao final da tarde, mas tivemos tempo para subir a uma das montanhas de rochas para ver o pôr do sol. Sim, somos pessoas que gostam de apreciar pores do sol.joshua-tree-parkJá tínhamos lido, em todos os guias, que durante a noite se ouviam coyotes, mas eu consegui ver um deles enquanto estava a lavar os dentes. De madrugada, fomos acordados pelos uivos e na manhã seguinte, a caminho do carro, vi uma cascavel! Ela não se sentiu ameaçada e não fez barulho, seguiu o seu caminho depois de alguns clicks de todos os que estavam a acampar à nossa volta. Dois rapazes tinham inclusivé dormido ao relento, no chão, e ficaram ligeiramente preocupados. Foi um dos momentos mais emocionantes para mim, que adoro animais.rattle-snakeAs árvores que dão o nome ao parque são curiosamente fascinantes: algo entre um cacto e uma palmeira. As rochas que as rodeiam ajudam a compôr uma paisagem exótica mas muito bonita.joshua-treesNeste parque de campismo – com aliás acontece em muitos outros – não havia água corrente: há uma casa de banho sem canalização e o dinheiro da estadia é posto num envelope numa caixa de registo. Esta seria também a nossa última paragem a acampar.

 

For the English version, click here.