O que nos limita não é o sítio onde vivemos, as condições onde crescemos, o conhecimento, ou a nossa forma física.

O que nos limita é o medo. Tenho-me apercebido, à medida que vou ganhado asas, e perdendo o medo, que o medo foi sempre o meu maior inimigo.

Medo do que possam pensar de mim, medo de falhar, medo de não ter dinheiro, ou sucesso, medo do ridículo, medo de me expor, medo de admitir os meus defeitos e as minhas fragilidades. Medo de não saber o suficiente e de ser desinteressante, medo de arriscar, medo do medo.

É assim com todos, acredito, com quem tem muito ou pouco medo. Assisto a vidas à minha volta, pautadas pelo medo, decisões que não se tomam por medo, palavras que não são ditas por medo, e a vida vai andando, sem que tomemos consciência de como este se medo se apodera.

Sei que o medo faz parte, e que em certa medida nos obriga a estar com os pés assentes na terra, mas também sei que o medo não se pode apoderar da nossa vida. Não sei se acreditam na reencarnação, mas mesmo que tenhamos outras vidas, o dia de hoje, a pessoa que somos hoje, o presente, pertence a esta vida. É nosso. E devemos agarrar-nos a isso todos os dias. Quebrar as barreiras do medo e ousarmo-nos a viver mais. Tomar a decisão que todos dizem errada, e que nós sabemos no nosso coração que é a certa, correr atrás dos nossos sonhos, transformar o impossível no possível.

Dá muito mais trabalho viver sem medo, acreditem, mas de outra forma não estamos sequer a viver, estamos só a ser conduzidos pela vida.

Este vídeo mostra em imagens aquilo que digo por palavras.

Estás pront@ para viver?

 

Para ler este texto em inglês clique aqui.

Click here to read this post in English.