Sustentabilidade e sustentável são duas palavras que ouvimos cada vez mais, em múltiplos situações. Ainda bem que assim o é. Mas, nem sempre a contexto destes dois conceitos é a melhor. Por exemplo, produtos “sustentáveis” são na maioria das vezes, produtos mais caros e nem sempre sabemos de forma são produzidos.

Analisemos então o significado da palavra “sustentável”:

(sustentar+ável)

  1. Que se pode sustentar.
  2. Que se pode defender.
  3. Que tem condições para se manter ou conservar (ex.: desenvolvimento sustentável). = SUSTENTADO

Quando penso num produto sustentável, penso também no ciclo da natureza e na forma como este se pode sustentar. Nasce, vive, morre e volta para a terra. Ciclo completo, pelo menos no que idealmente consideramos natural.

Reflictamos sobre os bens de consumo sustentáveis. Será que obedecem a este ciclo? Contrariamente ao que possamos pensar, há muitas vezes desperdício no fabrico destes produtos sustentáveis, tornando-os insustentáveis.

Dois exemplos:

  • Comprar uma peça de roupa de algodão orgânico, de uma marca ética que promove o não desperdício, mas cuja sua origem são o EUA. Será sustentável comprar algo que vem de tão longe?
  • Comprar uma peça de algodão orgânico, de uma marca que não promove o não desperdício. Será que sobrou tecido para fazer esta peça? O que é que foi feito com essas sobras?

O que é que acontece à roupa que compramos? Se colocarmos diretamente no lixo, vai para o aterro sanitário, não obedecendo ao ciclo natural esperado. Tal como outros itens, cuja reciclagem não é possível. Em Portugal, infelizmente nem tudo é reciclável.

Gostaria de reforçar que a reciclagem não é solução para tudo e muito menos desculpa para o consumo desenfreado. Mas é uma solução para um grande problema. Por isso, é preciso criar tecnologias, ferramentas e mecanismos para que o não reciclável passe a ser. Tal envolverá fazer com que compense reciclar tudo, em vez de fazer algo novo. Mas, para isso nós consumidores também podemos ter uma palavra a dizer.

Assim sendo, qual a melhor forma para enfrentar esta questão?

Como em tudo, devemos analisar caso a caso. Todavia, diria que o fator principal é usar recursos que já temos disponíveis. Não comprar coisas novas, reutilizar, consertar e prolongar a vida das coisas que compramos.

A meu ver, é a melhor forma de praticar um estilo de vida sustentável. É certo que não fiz um voto para nunca mais comprar algo de novo, mas tenho vindo a reduzir drasticamente o que compro e, quando compro, opto por materiais de qualidade e muito mais duráveis.

A definição de sustentável remete-nos para “criar condições para ser sustentado”. É necessário perceber que já temos estas condições na nossa sociedade. Temos recursos quase infinitos de bens de consumo que podemos reutilizar, consertar ou comprar em segunda mão. Falta apenas interiorizar nas nossas mentes (deixar os preconceitos de lado) e mudar o nosso estilo de vida.

 

Para ler este texto em inglês clique aqui.

Click here to read this post in English.